6.17.2005

Idade oculta

“Velho”
“Velho”... “É cota!”, grita um jovem insistentemente.

O idoso olha com tristeza.
Sente estar a ser gozado por ter dpermitido que os anos deixassem marcas no seu corpo.

“Gostava de ser mais novo, de facto!”, ouve-se no lamento esbatido em seu olhar.
“Quem me dera voltar a ser criança!
Correr, saltar, brincar.
Quem me dera...
Queria voltar a ser como tu, meu jovem.
Saber que uma vida inteira me esperava num desafio constante.
Bastava até sentir....
Sentir que tinha todo o tempo para amar,
Todo o tempo para explorar...
Sim...
Queria voltar a ser como tu, meu jovem.
Não sentir os que partiram,
E me deixaram... tão só neste mundo.
Queria voltar a sentir pequenas paixões,
Paixões de adolescente, ingénuo, carente.
E voltar ao primeiro ano da Universidade.
Mas não de uma qualquer.
A da vida, fugaz e sentida.
Sim...
Queria voltar a ser como tu, meu jovem.
Viajar no mundo e nas estrelas.
Fazer planos para o futuro...
E queria subir a uma árvore,
Roubar um pêssego maduro,
E simplesmente fugir,
Fugir sem ter para onde ir.

Sim...
Queria voltar a ser como tu, meu jovem.
Mas não posso!
Não posso evitar o inevitável....

Sou velho... eu sei que sou velho.
Mas é nesta velhice que escondo
A vida que já vivi e os desgostos que sofri.
O teu tempo também chegará meu jovem.
Mas já cá não estarei para te ouvir.
Nem para te apoiar,
Nem para te ajudar.”

O Jovem baixou lentamente a cabeça.
Por momentos sentiu que algo o mudara.
No fundo, também ele ficara um pouco mais velho no pouco tempo que passara.


Respeitar a velhice é um dos mais subtis dons da humanidade.
Este é o meu tributo, não aos mais velhos mas, aos menos novos que me rodeiam.
Pelo carinho, pela amizade, pela ternura, pela sabedoria e pelo aconchego que me transmitem.
Muito obrigado meus “velhos” amigos.

Autoria: Saber a Sal

2 Comments:

Blogger Reparador said...

No dia em que acharmos que o dia de ontem foi melhor do que o dia que vem, acho que aí, sim envelhecemos.
Não falo de corpo, mas da cabeça...E para um pensamento desses, não há idade certa.
Abraços.

13:15  
Blogger Saber a Sal said...

Sem dúvida.
Mas não deixa de ser normal olhar com nostalgia, e até saudade, alguns momentos marcantes do nosso passado.
Chateia-me... sim chateia-me profundamente que muitos dos nossos jovens não saibam respeitar a velhice dos outros. Não saibam sequer aproveitar tudo o que de bom nos pode ser transmitido por um idoso. Por isso este texto.
Um abraço e bom fim de semana.

13:35  

Enviar um comentário

<< Home