6.18.2005

Para a viagem e...

Para ti

Quero deixar evadir-se
O grito mudo entranhado mim.
Diz-me, diz-me que a vida não é assim
Feita de distâncias e saudades,
Mas de sonhos e verdades.
Qual pintura numa tela
Vou soltar um barco à vela
Para contigo navegar
Onde a eternidade nos levar,
E farei do sonho o pecado
De amar e ser amado
Para a meio do caminho
Rabiscar num pergaminho
Uma prosa da memória,
O rascunho dos sentidos
Que traçarmos unidos.

Será esta a nossa história?

Autoria: Saber a Sal